Publicações
REGA - Revista de Gestão de Água da América Latina - ISSN 2359-1919
VOLUME. 10 - Nº. 2 - JUL/DEZ - 2013
ARTIGO
Priorização de áreas para reflorestamento na Bacia Hidrográfica do Tietê-Batalha - proposição de método
Resumo:
A legislação brasileira prevê a preservação de matas ciliares, que são classificadas como Áreas de Preservação Permanente (APP). Apesar disto, na Bacia Hidrográfica do Rio Tietê-Batalha (BH-TB), definida como a Unidade de Gerenciamento de Recursos Hídricos nº 16 (UGRHI-16), a vocação agropecuária da região somada ao avanço da cana-de-açúcar, onde estão verificadas as transformações mais impactantes no setor agrícola, trouxeram vários impactos para toda a UGRHI-16, como por exemplo, o desmatamento da vegetação nativa ao longo dos corpos d-água. Com o método desenvolvido neste trabalho quantificou-se a vegetação degradada em APP marginal a corpos d-água da BH-TB (53.996,62 ha, referente a 56,66% do total) e determinaram-se as áreas prioritárias para a recomposição florestal (67,33 ha com prioridade alta-alta, 16.534,37 ha com prioridade alta-média, 34.292,76 ha com prioridade média-média, 3.101,41 ha com prioridade média-baixa e 0,75 ha com prioridade baixa-baixa). Os resultados obtidos permitem de forma prática subsidiar a tomada de decisão na alocação de recursos e projetos visando à recomposição florestal nas áreas prioritárias. Nesse aspecto o método fornece subsídios para a aplicação de recursos em ordem de prioridade, evitando assim desperdícios. 
Palavras-chave: Recomposição florestal, sensoriamento remoto e suporte à decisão. 

 

 

142 visualizações   63 downloads     Contabilizado a partir de 10/08/2014